Balancete contábil: entenda o que é e como usar em sua empresa

O balancete é uma espécie de relatório contábil bastante utilizado por conta da sua eficiência. Mesmo sem ser obrigatório, ele faz parte da maioria das rotinas operacionais de profissionais da contabilidade e está presente em empresas.

Independente de ser sintético (resumido) ou analítico (detalhado), o balancete pode ser uma das ferramentas para garantir uma boa gestão empresarial. Atualmente, ele pode ser emitido com auxílio de sistemas ERP online, que otimizam tempo e reduzem os riscos de falhas em negócios de todos os portes e segmentos.

Nesse artigo, será possível conhecer um pouco mais sobre esse documento contábil por meio da abordagem aos tópicos:

  • O que é um balancete;
  • Como é feito balancete contábil;
  • Diferença entre balancete e balanço;
  • Utilidades e vantagens de utilizar;
  • Sistema ERP online e contabilidade em tempo real.

Para entender um pouco mais sobre o tema balancete, não deixe de prosseguir com a leitura desse artigo!

O que é balancete?

Em resumo, o balancete trata-se de um instrumento contábil, um relatório que registra movimentos financeiros de uma conta, ou seja, entradas e saídas dela.

Em geral, utiliza-se o balancete como um demonstrativo para avaliar o fluxo financeiro desta conta. A partir dele, é possível identificar se há um saldo positivo ou um prejuízo no extrato da conta. Isto é, ao final de determinado período, seja ele mensal, trimestral ou qualquer outra faixa de tempo determinada.

Com isso, é possível avaliar como se determina a vida financeira, o que é necessário mudar. O que é necessário manter, os excessos devem se reduzir ou até anular, além de ter um controle detalhado a ponto de verificar qualquer irregularidade na conta. Mas também entre outros artifícios. Após uma análise do balancete, é possível projetar e planejar medidas a serem tomadas.

Balancete X Balanço

Já balanço patrimonial, ou balanço contábil, trata-se de um documento obrigatório que um contador ou setor de contabilidade de uma empresa deve fornecer ao final de cada ano e tem relação com a entrega da declaração de imposto de renda.

Esse relatório também é uma demonstração contábil a partir da identificação dos fluxos de uma empresa. Mas, diferentemente do balancete, o balanço também apresenta, quantitativa e qualitativamente, todos os bens, investimentos, dívidas, lucros, direitos e obrigações de uma empresa. Ou seja, tudo que envolve, cabe e pertence a esta empresa, por isso se chama de balanço patrimonial.

A diferença entre os patrimônios ativos e passivos da empresa resulta no patrimônio líquido dela. Com a análise do balanço contábil, diferentemente do balancete – que não é obrigatório e limita-se aos fluxos financeiros de entrada e saída -, é possível identificar todas as fontes do negócio. E também averiguar realmente quais as possibilidades de renda. Bem como, as possibilidades de manter aquele negócio e, a partir de sua análise, decidir as melhores escolhas para o bom funcionamento daquela empresa.

Em uma análise comparativa, os dois documentos são importantes para a análise e planejamento estratégico do financeiro de uma empresa. Visto que por meio da identificação do que entra e sai de uma conta é possível tomar medidas que melhorem as condições e otimizem essa conta.

Enquanto no balanço, é possível decidir quais patrimônios investir ou deixar de investir. Mas também saber quais tributos é possível reduzir e entender detalhadamente o direcionamento dos recursos financeiros que uma empresa está seguindo.

Note que contadores e empreendedores utilizam tanto o balanço quanto o balancete, mas o balanço deve ser feito por um profissional especialista em contabilidade. Alguns consideram o balancete como uma espécie de “pré-balanço”, já que ele faz parte do que se gera durante o balanço patrimonial.

Importância e vantagens

Como visto, diferentemente do balanço patrimonial, que deve ser entregue anualmente pelas empresas, com a exceção de Microempreendedores Individuais (MEI), o balancete não é obrigatório.

Pode-se dizer que o balancete é uma referência interna. Isso, no entanto, não isenta a importância de ter um relatório contábil demonstrativo como este.

Análises em tempo diferente

Enquanto o balanço é feito anualmente, o balancete permite uma análise em períodos muito maiores ou muito menores, o que pode ser um fiel aliado no planejamento estratégico e financeiro de uma empresa, visto que os dados poderão sempre ser mais atualizados do que há um ano atrás.

Se um empresário precisa saber como está o progresso de sua empresa a partir de novas medidas, é possível que ele faça a análise mensalmente, trimestralmente ou em um período que acreditar ser o ideal para ver essas mudanças acontecerem.

Estar atento aos saldos da conta é outro fator importante que é possível adquirir a partir da prática e observação do balancete contábil. Minimamente, é importante que haja um saldo positivo para cada saldo credor da conta da empresa, isso para que ao final do período determinado, não haja surpresas e a conta não fique negativa.

Após a implementação de um novo serviço ou a venda de um novo produto, por exemplo, é importante analisar a margem de lucro que se tem ao adotar esse serviço ou produto. Essa informação será identificada em um balancete.

Além do mais, o balancete é um ótimo artifício para identificar irregularidades, duplicidades de pagamentos e até fraudes dentro da própria conta.

Tecnologia e contabilidade

Outra forma de diminuir os erros na gestão empresarial, seja fiscal, contábil ou financeiro, é utilizar um sistema de gestão integrada: o ERP. O mercado brasileiro conta com opção online, com plano gratuito. Trata-se do FoxManager, o mais robusto e completo software ERP online do mercado.

O módulo contábil é a espinha dorsal do FoxManager. Todos os demais módulos integrados alimentam automaticamente a contabilidade da empresa, sem necessidade de qualquer integração manual ou troca de arquivos. Isso resulta em precisão, segurança e velocidade na tomada de decisões. Entre os recursos e funcionalidades disponíveis estão:

– Contabilidade automática em tempo real

– Centros de resultados (custos)

– Consolidação de grupos de empresas

– Rateio automático de custos

– DRE configurável

– Balancete, Razão, Diário, etc.

– ECD SPED Contábil

– Agrupamento por visões

– Integração bancária automática

– Grátis para contador

Como fazer um balancete contábil?

Agora que já foi possível identificar a diferença entre os relatórios, bem como a importância deles, é importante saber como fazer um balancete. Confira os passos abaixo:

  1. Identifique a empresa, data e conta (s) analisada (s).
  2. Determine um período a analisar, saldos da (s) conta (s) e saldos finais.
  3. Colete todos os saldos ativos e os distribua por liquidez, de modo que os valores que podem se transformar mais facilmente em dinheiro, venham primeiro.
  4. Durante a coleta dos saldos passivos, coloque-os na ordem de pagamento, dos mais prioritários ao menos emergentes.
  5. Por fim, colete as contas de resultado: receitas (todos os ganhos da empresa), custos e despesas (gastos eventuais, não atrelados à atividade-fim da empresa).

Feito isso, basta fazer a análise de seus saldos. Se uma conta possuir mais débitos que créditos, terá saldo devedor, e se possuir mais créditos que débitos, terá saldo credor.

Conclusões

O balancete é uma importante ferramenta da contabilidade usada em prol da gestão das empresas. Embora algumas pessoas confundam, existem diferenças entre balanço e balancete contábil. Para ambos, o ideal é contar o trabalho de um profissional especializado, ou seja contador, e usar um bom software para otimizar tempo e desempenho na emissão.

Artigo original de Foxmanager

Start typing and press Enter to search